Artigos

21/01/2014

O Brasil não pode ter medo de crescer

Para o nível de geração de empregos pelo menos se manter, é fundamental a expansão do crescimento. A economia brasileira vem andando de lado nos últimos três anos, período em que o crescimento médio do PIB foi algo em torno de 2%. Tudo indica que esse cenário não se alterará significativamente em 2014. Se considerarmos o crescimento esperado para 2013 (2,5%) e para 2014 (3%) a taxa de crescimento média nos quatro anos do governo Dilma ficará em escassos 2,3%. Esse desempenho, se confirmado, não poderá ser creditado exclusivamente ao contexto internacional, pois, no período 2011 a 2013, os países emergentes cresceram à taxa de 5,3% e o mundo 3,3%. É possível atribuir o baixo crescimento do Brasil a um conjunto de fatores. No entanto, sem dúvida a manutenção do Brasil na condição de pais com a maior taxa de juros do mundo, figura como um dos principais. Os juros estratosféricos inibem o consumo e valorizam o real, atraindo capital especulativo e barateando as importações, o que afeta diretamente as nossas contas externas. No começo de 2013 o Brasil praticava as menores taxas de juros da história (menos de 2% em termos reais), caminhando em direção à confluência com as taxas internacionais. Se o País persistisse nessa mudança, no médio prazo haveria expressivos benefícios para o setor produtivo, que teria custos de obtenção do capital compatíveis com os internacionais. Essa medida era fundamental também porque, somada a outras medidas, permitiria a redução dos preços, combatendo a inflação e estava contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. Mas a pressão do sistema financeiro e dos “rentistas” para aumentar a Selic (com o argumento falacioso de que a inflação estava “fora de controle”) foi muito grande e o governo teve que recuar em 2013. O aumento da inflação no Brasil, no primeiro semestre de 2013, não decorreu de um problema de excesso de demanda, e sim, pelo menos em boa parte, em função da valorização dos preços das commodities internacionais, especialmente as alimentares, o chamado “choque de oferta”. Elevação de juros, para uma inflação que não advém de pressão de demanda, não funciona no controle da inflação e acaba funcionando como uma “bola de ferro” na economia, que impede que o crescimento deslanche. A sinalização do Banco Central é de que o ciclo de elevação dos juros se prolongue ainda nos próximos meses. Mas se o Brasil quiser crescer em 2014 tem que adotar as medidas adequadas e não temer a pressão dos “rentistas”. José Álvaro de Lima Cardoso - Economista e supervisor técnico do Dieese em Santa Catarina (fonte: Diap)

Mais Artigos

© SINTIACR. Todos os direitos reservados.

Rua João Pessoa, 445 - Edifício Uno - 88801-530 - Criciúma/SCC

Fone: (48) 3433-9002

sintiacr@sintiacr.com.br